3.5 Dicas de cultivo

a) Pragas e doenças

Quando bem cultivadas, quase todas as suculentas e cactáceas normalmente não apresentam grandes problemas. As pragas mais comuns são pulgões e cochonilhas que podem ser controlados limpando a planta com uma pequena escova e com a aplicação de óleo de Neem, seguindo as indicações do produtor.

b)Estacas

Estaquia é um método de propagação no qual se emprega um pedaço do caule, ou folha de uma planta para a produção de um novo indivíduo. Para se obter uma muda saudável a planta “mãe” deve ser livre de pragas e doenças.

Estacas foliares:

Retirar uma folha da planta adulta. (Observe a posição correta da folha):

Coloque a folha no substrato respeitando a posição das faces:

Regue sempre cuidadosamente para não desprender a folha do substrato:

Brotos jovens:

A nova planta pronta para ser transplantada.:

Estacas caulinares:

Retirar uma parte do caule da planta adulta com uma ferramenta afiada:

Use o corte em bisel:

Enterre a estaca de modo que esta fique firme no substrato e proceda à rega:

Aqui a estaca já enraizada:

Devido ao corte da gema apical, é comum o surgimento de novos brotos na planta da qual retiramos a estaca:

No caso de cactos ou eufórbias espinhentas, use uma tira de papelão...

...e deixe cicatrizar:

Corte seco, “cicatrizado”, planta pronta para o plantio:

c) Sementes

Algumas plantas podem ser semeadas dentro de pequenos potes cobertos, onde não há grande oscilação de umidade e calor. Tais fatores promovem uma maior e melhor germinação.

1. Peneire o substrato (ver sugestão de substratos)

2. Escolha um pote, de preferência baixo e de boca larga.

3. Coloque uma camada de substrato peneirado no fundo.

4. Distribua bem as sementes de modo a não ficarem agrupadas no substrato:

5. Regue com parcimônia, utilizando de preferência um borrifador:

6. Corte um pedaço de plástico transparente e cubra o pote, prendendo com um elástico:

7. Se, após algum tempo, observar grande quantidade de água condensada no plástico, é necessário abrir e deixar secar um pouco. Muita água pode provocar apodrecimento das novas plantas:

8. Quando as mudas atingirem alguns centímetros e estiverem mais resistentes, o cultivo pode prosseguir sem o plástico:

9. Quando as mudas estiverem grandes o suficiente para segurá-las, pode-se colocá-las em vasos individuais:

d) Esquema de camadas do substrato.

Para evitar que as raízes maiores fiquem em contato direto com o substrato, pode-se fazer um esquema de camadas, diminuindo assim a possibilidade de apodrecimento.

e) Quando regar?

Escolher o momento certo para a rega é quase sempre uma dúvida constante. Via de regra, as suculentas não apreciam grande quantidade de água. No período de dormência, ou seja, quando não estão em fase de desenvolvimento, deve-se colocar menos água. Mas enfim quando regar? Primeiro deve-se ter em mente que o essencial é ser bom observador, pois podemos notar com certa facilidade quando uma planta está desidratando (murchando), fato este que está diretamente ligado a uma rega deficiente. É melhor perceber que uma planta está desidratando do que notar seu apodrecimento, pois a primeira situação pode ser facilmente revertida. No entanto, no caso de apodrecimento, muitas vezes podemos perder a planta inteira ou sermos obrigados a cortar a parte danificada, o que não pode ser feito sem prejudicar seu desenvolvimento. Sendo assim, melhor começar regando pouco e ir incrementando a quantidade de água até perceber-mos ter alcançado uma constância satisfatória.

f) Problemas com a drenagem

Um problema comum no cultivo de plantas é a perda de substrato através dos furos dos vasos, principalmente quando este é arenoso, como o utilizado no cultivo de plantas suculentas e cactáceas. Tal problema pode ser solucionado colocando-se um pedaço de manta Bidim, entre o substrato e o material de drenagem. Como alternativa pode-se fazer uso de esfagno ou espuma de travesseiro fina.